ØLYMPIA
12

ØLYMPIA Capítulo 115

Escolhas Difíceis

Publicado em 28/01/2021

Chega o momento de mais uma prova, mas o que será que irá acontecer?

Continua depois da publicidade

Cena 1

Você estava no carro do representante com sua ansiedade bem alta e pensando sobre o que poderia ser a prova, como ela seria, se seria algo mais fácil ou complicado, se seria de raciocínio ou de força, se teria combate, se seria em equipe ou individual.

Se acontecesse da prova ser em equipe, tudo o que você mais queria era que fosse uma prova onde pudesse escolher sua equipe ou que ao menos eles tivessem piedade escolhem uma boa equipe, porém considerando a conversa de Sam e Laura sobre o treino, o que mais faria sentido era se tivesse que lidar com pessoas que você não tinha afinidade ou até mesmo que não gostasse.

Será que realmente tinha a chance de você participar de uma equipe com alguém que não tinha sequer a menor afinidade ou até mesmo que não gostasse? Mas qual seria a pior pessoa que poderia aparecer nessa prova?

Tudo o que você torcia era para que seja qual for a prova, que desse tudo certo e que você conseguisse voltar bem para Eólia como havia prometido para seus amigos, que seus amigos também ficassem bem e que nenhuma vida corresse algum risco.

Falar com sua mãe costumava sempre lhe acalmar, mas a última conversa tinha lhe deixado com mais medo sobre a possibilidade de algo sério acontecer e abalar totalmente a sua tranquilidade. A ideia de que algo repentino possa acontecer e mudar toda a situação era assustadora.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 2

- Chegamos - Diz o representante lhe fazendo despertar de seus pensamentos.

- Finalmente, posso tirar a venda? - Você pergunta.

- Claro que sim, tire e saia do carro - Ele responde e sai do carro.

- Que lugar lindo é esse? - Você pergunta ao sair do carro e tirar a venda.

- Esse lugar é muito bonito não é? - Ele pergunta.

- Sim, nunca tinha visto algo do tipo - Você responde.

- S/N, seja bem-vindo(a) a Ilha de Erítia - O representante diz.

- Nunca ouvi falar desse lugar - Você fala.

- Normal, esse não é um lugar que costuma ser muito comentado - O representante diz.

- Mas por que? É um lugar tão bonito, deveriam falar sobre ele - Você pergunta.

- Eles não gostam de comentar sobre certos lugares - O representante responde.

- Certos lugares? Que lugares são esses? - Você pergunta.

- Os "certos lugares" são lugares onde ocorrem as provas, esses lugares não costumam receber muita atenção, mas nunca foi bem explicado o motivo - Ele responde.

- Então até você não sabe o motivo desses lugares não serem comentados com os alunos? - Você pergunta.

- Sim, tenho a sensação que é para que os alunos não queiram ir para esses lugares, caso eles vejam algo que parece o paraíso, eles podem pensar que tem alguma chance de viver lá - O representante responde.

Continua depois da publicidade
  • Faz sentido
  • Não acho que seja isso

Cena 3

- Mas infelizmente eles nunca vão contar o verdadeiro motivo - Diz o representante.

- Concordo, eles nem explicam coisas básicas, imagina algo mais complexo que envolve outros seres - Você fala.

- Exatamente, mas para sua sorte, eu sei o motivo desse lugar não ser comentado - Ele diz.

- Qual é o motivo? - Você pergunta.

- Mesmo a ilha de Eritia ser esse lugar lindo que parece um paraíso, ele é visto como o lugar da vergonha pelos superiores - Diz o representante.

- Como assim? - Você pergunta sem entender.

- A ilha de Eritia é o local onde moram aqueles que falharam de alguma forma com os superiores - O representante responde.

- Achei que quem falhasse com os superiores seria preso ou morto - Você fala.

- Isso depende, a gravidade da falha faz total diferença em seu destino - Ele diz.

- Dá um exemplo - Você fala.

- Se a tal falha for muito grave, você é morto, se a falha for mediana, você é preso(a) e vai para a Casta de Hades e se for uma falha pequena, você vai para a Ilha de Eritia - Ele diz.

- Sério? Eu não sabia disso - Você fala surpreso(a).

- Sim, não é algo que é muito comentado para os alunos - Diz o representante.

- Mas o que seria uma falha leve ou mediana? - Você pergunta.

- A falha grave é assassinato ou atentado, a falha mediana é traição e a falha leve é cometer algum tipo de delito - Ele responde.

- Eu achei que traição era motivo de morte - Você fala.

- A traição ainda é um tema controverso, alguns acham que os rebeldes merecem a morte, já outros acham que eles merecem a chance de se arrepender, então aqueles que são válidos e importantes para os superiores vão para a prisão, se ele se arrepender, não morre, mas se caso não se arrependa, ele recebe a pena de morte - O representante diz.

- O delito leve seria mentir? - Você pergunta.

- Exato, mentir ou fazer algo que não poderia como ir para um lugar proibido - Ele responde.

- Entendi - Você fala e no mesmo momento pensa em Creta.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 4

- A grande maioria que mora na ilha de Eritia mentiu para os superiores, teve algum mal comportamento ou foi para algum lugar que não deveria, então você não precisa se preocupar, não são pessoas perigosas - Diz o representante.

- Sem problemas, não tenho medo - Você fala.

- Quanta confiança - Ele diz rindo.

- Eu sei me cuidar, não é qualquer um que pode me derrubar - Você fala rindo.

- Gostei de ver, é com esse pensamento que irá longe nessa competição - Ele diz.

- Espero que sim - Você fala.

- Quase esqueci de falar, além daqueles que cometeram falhas leves, na Ilha de Eritia também se encontram aqueles que não conseguiram passar em Olympia - O representante diz.

- Isso é sério? - Você pergunta.

- Sim, se você não consegue passar em Olympia, você não consegue entrar em nenhuma Casta, então é mandado para a Ilha de Eritia - Ele responde.

- Eu não fazia ideia disso - Você fala.

- E o que você acha que aconteceria com alguém que não consegue entrar em nenhuma Casta? - Ele pergunta.

- Nunca tinha parado para pensar nisso, achei que era impossível não receber nenhuma carta - Você responde.

- Os superiores são muito sérios, eles não iriam permitir que a pessoa voltasse para a Casta que nasceu e muito menos que tentasse novamente - Ele diz.

- Isso é bem triste - Você fala.

- É, mas fazer o que? Olympia é uma competição extremamente importante, se você não se prepara para algo que define sua vida, significa que você não valoriza a importância disso e para os deuses, isso é um desrespeito muito grande - Ele diz.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 5

- Mas agora chega de conversa, vamos falar de prova que é o que é realmente importante não é mesmo? - O representante pergunta.

- Sim, foi para isso que estou aqui - Você responde.

- E não vou tomar mais de seu tempo - Ele diz.

- Mas por mais ansioso(a) que eu esteja, gosto de conversar com você pois sempre aprendo mais sobre o sistema daqui - Você fala.

- É uma honra repassar meu conhecimento, mas vou começar a cobrar por além de ser seu motorista e guia, também tenho que ser seu professor - Ele diz rindo.

- Você é muito misterioso para ser meu professor, como alguém tem um professor que não sabe nem o nome? - Você pergunta.

- Lá vem você com essa conversa de novo - Ele diz rindo.

- Tá bom, não está mais aqui quem falou - Você fala.

- Certo, agora vamos para a prova? Porque o caminho já foi bem longo, se demorar para fazer essa prova, vamos chegar bem tarde em Eólia - O representante diz.

- Sim, vamos nessa - Você fala.

- S/N, aqui está seu arco e flecha - Ele diz te entregando um lindo e enorme arco com várias flechas.

- Vou enfrentar algo? - Você pergunta.

- Sim, a Ilha de Eritia está sofrendo um ataque e você terá que fazer algo - Ele responde.

- Um ataque? - Você pergunta.

- Não sabemos bem o que é, apenas recebemos um chamado - Ele responde.

- Isso é muito sério - Você fala.

- Sim, por isso que você precisa começar logo essa prova antes que todos morram - Ele diz.

- As pessoas podem realmente morrer? - Você pergunta.

- Claro, é um ataque, ninguém tem controle sobre isso - Ele responde.

- Por que você não disse isso antes? Eu já deveria ter entrado - Você fala.

- Foi você que puxou o assunto - Ele diz.

- E como vou ajudar um monte de pessoas e ainda salvá-los de sabe lá o que? - Você pergunta.

- Nós sabemos que é muita coisa e por isso você terá a ajuda de uma equipe - Ele responde sorridente.

- Uma equipe? Onde ela está? - Você pergunta.

- Ela já deve estar chegando - Ele responde olhando ao redor.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 6

- Finalmente chegou - Diz o representante sorrindo.

- Onde? - Você pergunta.

- Aquele carro ali - Ele diz apontando para um carro que se aproximava.

Você se vira para olhar o carro que cada vez mais se aproximava de vocês, o carro finalmente para e você não conseguia acreditar no que estava vendo quando viu ninguém mais que Eva descendo do carro.

- Não acredito nisso - Eva diz rindo.

- Nós seremos uma equipe? - Você pergunta.

- Eu não esperava por essa - Ela fala.

- Que bom que vocês já se conhecem, assim não vão ter que perder tempo para se conhecerem - O representante diz.

- Isso é sério? - Eva pergunta.

- Sim, tenho certeza que vocês vão se dar bem - O representante responde.

- Será apenas a gente? - Você pergunta.

- Não, teremos duas pessoas para ajudar, só deixa eles aparecerem - O representante responde e tira um celular do bolso e começa a digitar algo.

- São outros alunos? - Eva pergunta.

- Não, são dois guerreiros de verdade - O representante responde.

- Sério? - Você pergunta.

- Sim, eles estão aqui para avaliar vocês - O representante responde.

- Isso é incrível - Diz Eva animada.

- Sim, vocês vão conseguir uma oportunidade única - Ele fala.

- E onde eles estão? - Você pergunta.

- Acabei de receber uma mensagem, eles vão encontrar vocês no centro da cidade, então podem entrar e sigam reto que logo irão encontrá-los - O representante responde.

- Certo - Você fala.

- Boa sorte crianças - O representante diz.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 7

Você e Eva se despedem dos representantes e começam a caminhar em direção a entrada da ilha, o clima entre vocês era péssimo já que claramente não se gostavam. Olhar para Eva era como relembrar o terrível momento em que viu Eric quase morrer, então seria bem difícil conseguir lidar com ela.

- O que eu fiz de errado para merecer isso? - Eva pergunta.

- Você? Quer que eu diga? - Você pergunta.

- S/N, supera, águas passadas - Ela responde.

- É fácil dizer isso - Você fala.

- Você tem o mesmo problema da Laura, ficam guardando mágoas e se tornam pessoas amargas - Ela diz.

- Você é muito sem noção, o que você fez foi muito grave, não é algo tão fácil para esquecer - Você fala.

- Até o próprio Eric me perdoou, não entendo o motivo de você e Laura não conseguirem fazer o mesmo para seguir em frente - Ela diz.

- As pessoas são diferentes, mesmo ele sendo meu amigo, não concordamos em tudo - Você fala.

- Já estou vendo que essa prova será bem difícil - Ela diz.

- Eu já soube disso assim que vi que era você que descia do carro - Você fala.

- Que drama, apenas não me atrapalhe que não teremos problemas - Ela diz.

- Digo o mesmo - Você fala.

- Não sei como você faz suas provas, mas sempre faço as minhas pensando que serei a melhor, então mesmo não gostando de mim, espero que não faça corpo mole - Eva diz.

- Não se preocupe, eu não recebo elogios por nada nas minhas provas, sempre faço um bom trabalho - Você fala.

- Não venha com esse papo, você só recebe toda essa atenção por causa de seu pai, se não fosse filho(a) dele, duvido que chamaria atenção - Ela diz.

- Meu pai pode ter sido o motivo da primeira vez que recebi atenção, mas para continuar chamando atenção, é preciso talento de verdade - Você fala.

- Vamos ver - Ela diz e ri.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 8

Você e Eva caminharam por um certo tempo em busca dos dois guerreiros, aquele lugar não era pequeno e algumas casas tinham sido destruídas, o cenário era bem triste, pois parecia um lugar de guerra, o que fazia seu nervosismo aumentar ainda mais pois era a primeira que vez que seria responsável por tantas vidas de uma vez.

- O que será que está causando tudo isso? - Eva pergunta.

- Não faço a menor ideia - Você responde.

- Parece que houve uma guerra, será que ainda tem pessoas vivas? - Ela pergunta.

- Ela devem estar escondidas - Você responde.

- Nós colocamos alguns em abrigos - Diz uma voz masculina que faz vocês se virarem para ver quem era.

- Vocês são os guerreiros? - Eva pergunta sorridente.

- Isso mesmo, eu sou o Hélio - Diz um homem alto de cabelos pretos.

- Muito prazer, eu sou Julia - Fala uma mulher de cabelos curtos e pretos.

- O prazer é nosso - Você fala ainda sem acreditar que estava vendo guerreiros de verdade.

Os guerreiros eram altos e muito fortes, usavam uma roupa especial que tinha o um símbolo no peito e carregavam armas enormes, naquele momento você conseguiu entender um pouco o motivo das pessoas serem loucas pelos guerreiros, eles realmente pareciam especiais, mesmo sem fazer nada, eles exalavam uma energia diferente e imponente.

- Se apresentem - Diz Julia.

- Eu sou S/N - Você fala.

- Eu sou Eva - Eva diz.

- De qual Casta? - Hélio pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Zeus
  • Poseidon
  • Atena
  • Ártemis
  • Apolo
  • Afrodite
  • Ares
  • Dionísio
  • Hera
  • Demeter
  • Hermes
  • Hefesto

Cena 9

- É uma boa Casta - Diz Hélio.

- Eu sou da Casta de Ares - Eva responde.

- Também é uma ótima Casta - Ele diz.

- Os representantes explicaram a prova certo? - Julia pergunta.

- Sim - Você e Eva respondem.

- Certo, ele comentou que recebeu um chamado não foi? - Hélio pergunta.

- Isso - Vocês respondem.

- Vocês já sabem o que é? - Você pergunta.

- Não, estávamos esperando por vocês para ir lá - Hélio responde.

- É importante que vocês saibam que essa não é uma equipe convencional - Julia fala.

- Como assim? - Eva pergunta.

- Nós estamos aqui para julgar o desempenho e para ajudar - Hélio responde.

- E o que isso significa? - Você pergunta.

- Vocês vão mandar na equipe, nós apenas seguiremos suas ordens - Julia responde.

- Isso é sério? Mas vocês tem mais experiência em situações como essas - Você fala.

- Sim e agora é a vez de vocês, essa é uma situação muito comum na vida dos guerreiros, então vocês precisam viver também - Hélio diz.

- Mas é muita pressão, tem vidas em risco - Eva fala.

- E é por isso que vocês precisam pensar muito bem em suas decisões - Julia diz.

- Isso é desesperador - Eva fala.

- Não se preocupe, vai dar tudo certo, nós passamos por tudo isso e conseguimos, vocês também vão - Julia diz.

- Mas chega de conversa e vamos para a ação, vocês terão que fazer uma escolha - Hélio fala.

- Qual escolha? - Você pergunta.

- Alguém irá com a Julia para procurar por pessoas e levá-las para o abrigo, já outra pessoa irá comigo enfrentar o que quer seja que esta atacando a cidade - Hélio responde.

- O que vocês escolhem? - Julia pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Proteger as pessoas com Julia
  • Enfrentar o inimigo com Hélio

Cena 10

- Ótimas escolhas, gostei de ver que foi bem rápido - Julia diz rindo.

- Vocês tem certeza da decisão? - Hélio pergunta.

- Sim - Vocês respondem.

- Ótimo, então vamos nos separar - Hélio diz.

- Tomem muito cuidado, não esqueça que além de uma prova, essa é uma missão séria que envolve vidas em risco, por isso é preciso atenção - Julia diz.

- Sim - Vocês falam.

- Ambas as missões são importantes e tem seus pesos próprios, então não achem que exista uma mais fácil que a outra, não esqueçam que tudo será avaliado e nós passaremos o resultado - Diz Hélio.

- Bom, agora vamos pois já perdemos muito tempo e se demorarmos mais, não sobrará muito desse lugar - Julia fala.

- Concordo, temos que resolver isso rápido - Hélio diz.

- Boa sorte para nós e vamos fazer um bom trabalho - Julia fala.

- Qualquer problema, é só chamar por esse rádio - Hélio diz entregando um rádio para você e outro para Eva.

- Alguma dúvida? - Julia pergunta.

- Não - Vocês respondem.

- Ótimo, hora de se separar - Ela diz.

- Boa sorte pessoal e deem o melhor - Hélio fala.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 11

Você e Julia começam a correr em direção as casas para tentar encontrar pessoas para salvá-las e era horrível ver como tudo estava destruído e até mesmo com marcas de sangue.

- Se prepare S/N, talvez você veja cenas que ficarão para sempre em sua memória - Diz Julia.

- Tudo bem, eu aguento - Você fala.

- Espero que você não seja muito sensível - Julia diz rindo.

- Não sou não, pode ficar tranquila - Você fala.

- É bom porque vai começar a parte difícil - Ela diz apontando para uma casa e você a segue.

Você não tinha entendido o que Julia queria dizer, porém ao ver uma casa destruída com uma mulher caída no chão e uma menina que parecia ter uns 10 anos sentada ao lado do corpo e chorando muito.

- O que aconteceu querida? - Julia pergunta.

- Moça, ajuda minha mãe, ela não está bem - A menina responde soluçando de tanto chorar.

- Calma, vou ver o que posso fazer - Ela diz enquanto tirava alguns curativos.

Você se aproxima da menina para analisar se ela estava machucada, mas era difícil se concentrar quando sua mente só conseguia pensar o quão importante sua mãe é em sua vida, a ideia de perder ela parecia tão inacreditável que nem ao menos passava em sua cabeça, era difícil pensar em perder seu maior porto seguro.

- Minha mãe vai ficar bem? - A menina pergunta.

- Nós vamos fazer tudo o que podemos para isso - Você responde e olha para Julia que no mesmo momento lhe olha com uma expressão que você conseguiu entender claramente que não tinha mais jeito.

- Querida, o que você acha de vir com a gente para o abrigo? - Julia pergunta.

- Mas e a minha mãe? - Ela pergunta.

- Mamãe terá que ir para um lugar, ela não pode te acompanhar no momento - Julia responde.

- Ela está bem? - A menina pergunta.

- Claro, você tem algum outro familiar por aqui? - Julia pergunta.

- Sim, a vovó - Ela responde.

- Ótimo, vamos atrás da sua vovó - Julia diz.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 12

Você, Julia e a menina que descobriu se chamar Ana caminham em direção ao tal abrigo que Julia havia comentado, ao chegar lá, percebeu que não era um lugar muito grande, parecia ser um tipo de ginásio, o lugar já estava bem cheio de pessoas, algumas choravam muito e tinham ferimentos.

Assim que vocês entraram no ginásio, começaram a procurar pela vó de Ana e não demorou muito pois a menina correu em direção da senhora que com uma certa dificuldade andava em direção a neta com um enorme sorriso no rosto e com lágrimas nos olhos.

- Muito obrigada - Diz a senhora.

- Esse é o nosso trabalho, foi uma honra poder ajudar - Julia fala.

- Vocês salvaram a vida da minha neta, serei eternamente grata ao que fizeram - Ela diz chorando.

- A melhor forma de nos agradecer é cuidando dessa linda princesa - Julia fala.

- E eu vou, eu prometo - Ela diz.

- Ela vai precisar bastante de você agora - Julia fala e no mesmo momento a senhora entende o que ela queria dizer.

- Eu vou fazer o meu melhor para cuidar dela - A senhora diz chorando muito.

Vocês ainda conversavam com a senhora, quando são surpreendidos(as) por uma mulher desesperada que corre até vocês.

- Por favor, me ajudem - Diz a mulher.

- O que aconteceu? - Você pergunta.

- É o meu filho, ele precisa de ajuda - A mulher responde chorando.

- Calma, nos leve até lá e iremos resolve - Julia fala.

- Venham rápido - A mulher e diz e começa a correr.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 13

Você e Julia começam a correr em direção da mulher desesperada até que finalmente chegam em uma casa que já estava bem destruída e parecia que iria ceder a qualquer momento.

- Seu filho está lá dentro? - Julia pergunta.

- Sim, por favor, ajudem ele - Ela responde.

- Senhora, esse lugar é perigoso, pode desabar a qualquer momento - Julia fala.

- Eu sei, mas é o meu filho, por favor, ajudem ele e o outro homem - A mulher diz.

- Outro homem? - Você pergunta.

- Sim, a esposa esta lá dentro com ele - A mulher responde.

- Certo, vamos analisar a situação - Julia fala.

Você e Julia entram dentro da casa e se dão de cara com uma cena que parecia ser de filme, havia um menino adolescente preso entre as ferragens e um homem preso com uma parede por cima dele.

- Por favor, ajudem meu marido, eu suplico - Diz uma mulher chorando muito, ela estava com seu filho que parecia ter uns 5 a 6 anos.

- Vamos ver o que podemos fazer - Julia fala e te afasta das duas mulheres que choravam.

- O que vamos fazer? - Você pergunta.

- S/N, eu sinto muito por esse ser o dia da sua prova, isso não costuma acontecer - Julia diz desesperada.

- O que aconteceu? - Você pergunta.

- Por essa ser a sua prova, você terá que tomar a decisão - Ela responde.

- Qual decisão? - Você pergunta.

- Você terá que escolher qual vida irá salvar. Se tirarmos o menino, as ferragens que estão prendendo ele irão soltar a parede e assim esmagar o homem, se tirarmos primeiro a parede que esta por cima do homem, ela irá soltar as ferragens que irão perfurar o corpo do menino - Julia responde.

- Você está brincando né? Eu não posso decidir isso - Você fala.

- Sinto muito, mas é preciso fazer essa escolha. O que você vai escolher? - Ela pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Salvar o menino
  • Salvar o homem

Cena 14

Seus olhos começam a encher de lágrimas e seu coração a acelerar, você não conseguia acreditar que teria que tomar aquela decisão, isso era muita maldade, uma vida não merece pagar pela outra, mas infelizmente não havia o que fazer e o pior é que se você não tomasse sua decisão rápido, ambos iriam morrer já que a casa poderia desabar a qualquer momento.

Olhar para aquele homem caído, você viu a esposa e o filhinho que ficavam fazendo companhia, era uma cena tão triste que lhe fazia pensar que esse menino iria ter a mesma vida que você, nunca saberia o que era ter um pai e viveria na eterna busca de sua identidade.

Ao olhar para o outro lado, você via o desespero de uma mãe com o filho tão jovem que parecia ter a idade de seu irmão, ver aquela cena lhe fazia pensar em seu irmão e também pensar em um dos seus piores pesadelos, que era perdê-lo, desde quando participou de Olympia, um de seus maiores medos se tornou o medo de ver seu irmão morrer por causa daquele lugar.

A ideia de perder alguém era algo que tocava em uma parte bem sensível em você e ter que lidar com isso era sempre um grande problema, para seu azar, conseguia se identificar muito bem com ambas as situações, o que tornava sua decisão ainda mais difícil.

Depois de passar um tempo pensando, você tomou a sua decisão, por mais difícil que fosse, o mais racional era salvar o menino, ele era bem mais jovem e merecia ter a chance de viver tudo o que a vida ainda o aguardava.

Você comunica sua decisão para Julia e ela acata no mesmo momento, já que você ainda estava abalado(a) pela situação, Julia vai sozinha conversar com o homem e a esposa. O homem reage bem e entende a decisão, ele disse que faria o mesmo em seu lugar, já a mulher gritou e começou a chorar em desespero, aquilo era horrível de ver e ouvir.

Julia te chama e vocês vão em direção ao menino para começar a cortar as ferragens, foi bem difícil conseguir cortar, mas finalmente acontece o corte importante e no mesmo momento vocês escutam o som da parede desabando e em seguida um grito alto e muito choro da agora viúva, aquilo lhe fazia tão mal e tudo o que você mais queria era que chegasse ao fim.

- Muito obrigada, do fundo do meu coração - Diz a mãe abraçando vocês.

- De nada senhora, agora vá para o abrigo com seu filho - Julia fala.

- Muito obrigado - O menino diz com dificuldade.

- Não foi nada, agora cuide em se recuperar - Julia fala.

- Eu vou e espero um dia me tornar um guerreiro como vocês para poder ajudar outras pessoas - Ele diz sorridente.

- Então nós iremos esperar por nosso próximo companheiro - Julia fala.

- Pode esperar, vocês vão ver - Ele diz.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 15

Seus olhos começam a encher de lágrimas e seu coração a acelerar, você não conseguia acreditar que teria que tomar aquela decisão, isso era muita maldade, uma vida não merece pagar pela outra, mas infelizmente não havia o que fazer e o pior é que se você não tomasse sua decisão rápido, ambos iriam morrer já que a casa poderia desabar a qualquer momento.

Olhar para aquele homem caído, você viu a esposa e o filhinho que ficavam fazendo companhia, era uma cena tão triste que lhe fazia pensar que esse menino iria ter a mesma vida que você, nunca saberia o que era ter um pai e viveria na eterna busca de sua identidade.

Ao olhar para o outro lado, você via o desespero de uma mãe com o filho tão jovem que parecia ter a idade de seu irmão, ver aquela cena lhe fazia pensar em seu irmão e também pensar em um dos seus piores pesadelos, que era perdê-lo, desde quando participou de Olympia, um de seus maiores medos se tornou o medo de ver seu irmão morrer por causa daquele lugar.

A ideia de perder alguém era algo que tocava em uma parte bem sensível em você e ter que lidar com isso era sempre um grande problema, para seu azar, conseguia se identificar muito bem com ambas as situações, o que tornava sua decisão ainda mais difícil.

Depois de passar um tempo pensando, você tomou a sua decisão, por mais difícil que fosse, o mais racional era salvar o homem, o filho dele era tão novo e merecia ter a chance de viver mais um pouco com ele, aquele homem estava formando sua vida em família, ele merecia o direito de viver.

Você comunica sua decisão para Julia e ela acata no mesmo momento, já que você ainda estava abalado(a) pela situação, Julia vai sozinha conversar com o menino e a mãe. O menino reage bem e entende a decisão, ele disse que faria o mesmo em seu lugar, já a mãe gritou e começou a chorar em desespero, aquilo era horrível de ver e ouvir.

Julia te chama e vocês vão em direção ao homem para começar a levantar a parede, foi bem difícil, mas finalmente conseguem levantar a parede o bastante para tirar o homem e no mesmo momento vocês escutam o som das ferragens se movendo e em seguida um grito alto e muito choro da mãe do menino, aquilo lhe fazia tão mal e tudo o que você mais queria era que chegasse ao fim.

- Muito obrigada, do fundo do meu coração - Diz a esposa abraçando vocês.

- De nada senhora, agora vá para o abrigo com seu marido e filho - Julia fala.

- Muito obrigado - O homem diz com dificuldade.

- Não foi nada, agora cuide em se recuperar - Julia fala.

- Eu vou e irei contar a todos como os guerreiros são incríveis e salvaram a minha vida - Ele diz sorridente.

- Não precisa, apenas fizemos o nosso trabalho - Julia fala.

- Espero que um dia meu filho seja como um de vocês, assim sei que ele estará ajudando outras pessoas - Ele diz.

- Tenho certeza que seu filho irá adorar - Julia fala.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 16

Após passar mais um tempo ajudando outras pessoas e as levando até o abrigo, você e Julia terminam o trabalho e vão para o centro da cidade para esperar por Eva e Hélio.

- Como foi viver a experiência de ser um guerreiro? - Julia pergunta.

- Foi assustadora, não esperava por isso - Você responde.

- É, ás vezes lidamos com situações bem complicadas - Ela diz.

- Vai ser difícil para absorver tudo o que aconteceu hoje - Você fala.

- É, mesmo com o trauma, espero que tenha tirado alguns ensinamentos - Ela diz.

- Claro que sim - Você fala.

- Ser um guerreiro é complicado S/N, você lida com situações bem complicadas. Um dia você está salvando vidas e no outro você está acabando com vidas - Ela diz.

- Eu entendo - Você fala.

- Ás vezes eu penso em desistir, mas ao ver uma pessoa chorando e me agradecendo me faz querer continuar e ainda me faz relembrar o motivo de tanto querer ser uma guerreiro, eu não queria ser guerreira pelos poderes, mas sim para ajudar pessoas - Ela diz.

- Isso é algo bem bonito da sua parte - Você fala.

- Mas ás vezes lidamos com situações que queremos desistir de tudo, então eu recomendo que você pense bem ao fazer sua escolha pois é algo muito sério - Ela diz.

- Eu sei, prometo que vou pensar bem - Você fala.

- Sim, espero que possamos trabalhar juntos(as), mas vou entender se você não quiser isso - Ela diz.

- Eu preciso pensar mais um pouco - Você fala.

- Tome o tempo que for preciso, não apresse pois é a decisão da sua vida - Ela diz.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 17

Você e Hélio começam a correr para perto de um som estridente que conseguiam ouvir, não demora muito até finalmente chegarem em um local onde tinha uma enorme ave sobrevoando o local.

Você não conseguia acreditar no que via pois nunca tinha visto algo como aquele ser, era uma ave bem maior que o normal e o mais estranho era que o bico e as asas não era igual a de outras aves, mas pareciam serem feitos de metal.

- O que é isso? - Você pergunta.

- Essa é uma ave do lago Estínfalo, são aves bravas e bem difíceis de serem derrubadas - Hélio responde.

- O que nós vamos fazer? - Você pergunta.

- Eu não sei, precisamos atraí-la mais para baixo para conseguir acertar e matar - Hélio responde.

- Você sabe como matá-la? - Você pergunta.

- Precisamos passar veneno nas flechas e acertar o coração dela, como você já percebeu, algumas partes dessa ave são de metal, então não será um trabalho muito fácil - Ele responde.

- Eu já imaginava - Você fala.

- Ela é rápida, enorme e voa alto, então não é um alvo fácil, por isso vale mais a pena atraí-la para baixo, assim ficará melhor para acertamos o coração dela - Hélio diz.

- É, faz sentido, mas como vamos atraí-la? - Você pergunta.

- Com o nosso corpo - Ele responde.

- Ótimo, seremos a isca - Você fala.

- Sim, essa é a única forma - Diz Hélio rindo.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 18

- Onde iremos encontrar o veneno certo? - Você pergunta.

- Essa é a parte difícil - Hélio responde.

- Como assim? - Você pergunta.

- Eu trouxe um veneno que deve funcionar, porém temos que tomar muito cuidado porque se tivermos qualquer contato ou até mesmo inalação, pode ser fatal - Ele responde.

- Tudo bem, se você tem o veneno, já fica mais fácil - Você fala.

- Que bom saber que você não se abala facilmente - Ele diz.

- Não se preocupe, eu não sou esse tipo de pessoa - Você fala.

- Perfeito, então vamos preparar nossas flechas para começar o ataque e acabar logo com esse monstro - Diz Hélio enquanto te entrega um pequeno frasco com veneno.

- Sim, precisamos parar essa ave antes que ela destrua ainda mais a cidade - Você fala.

- Mas teremos um problema - Ele diz.

- O que aconteceu? - Você pergunta.

- A ave está segurando uma pessoa - Ele diz apontando e você se vira para ver.

- O que vamos fazer? - Você pergunta em desespero.

- S/N, sinto muito, mas você terá que tomar essa decisão - Ele diz.

- Como assim? - Você pergunta.

- Essa é a sua prova e você tem que tomar as decisões - Ele responde.

- Que decisões? - Você pergunta.

- Você terá que escolher entre duas opções: A primeira você mata a ave e consequentemente a pessoa que esta com ela ou podemos derrubá-la e correr o risco dela cair por cima das casas e consequentemente matar outras pessoas - Hélio responde.

- O que? Isso não pode ser verdade - Você fala.

- Infelizmente é. O que você escolhe? - Ele pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Matar a ave
  • Derrubar a ave

Cena 19

Seus olhos começam a encher de lágrimas e seu coração a acelerar, você não conseguia acreditar que teria que tomar aquela decisão, isso era muita maldade, uma vida não merece pagar pela outra, mas infelizmente não havia o que fazer e o pior é que se você não tomasse sua decisão rápido, a ave iria continuar destruindo a cidade.

Ao olhar para aquela pessoa presa nas garras da ave lhe fazia mal pois nem conseguia imaginar o que era ter sua vida decidida por outra pessoa, mas ao mesmo tempo pensava que em uma das casas ao redor poderia estar uma família que só estava tentando se proteger e vai ter um trágico fim.

A ideia de perder alguém era algo que tocava em uma parte bem sensível em você e ter que lidar com isso era sempre um grande problema, para seu azar, conseguia se identificar muito bem com ambas as situações, o que tornava sua decisão ainda mais difícil.

Depois de passar um tempo pensando, você tomou a sua decisão, por mais difícil que fosse, o mais racional era matar a ave e deixar com que uma única pessoa morresse pois se a ave caísse nas casas, muitas pessoas iriam morrer por consequência.

- Eu tomei minha decisão - Você fala.

- E qual foi? - Hélio pergunta.

- Vamos matar a ave - Você responde.

- Boa escolha - Ele diz.

Vocês começam a pegar as flechas, passam veneno com muito cuidado nas pontas e começam a lançar na ave que se esquivava, ela era realmente muito rápido, o que fazia com que muitas flechas fossem desperdiçadas.

Você e Hélio faziam de tudo para atrair a ave para mais perto e acertá-la, mas era difícil, você nunca tinha visto um animal tão esperto em toda a sua vida. Felizmente, em um momento de descuido da ave quando ela arrumava as garras para segurar o homem, você consegue acertar uma flecha certeira no coração dela.

Assim que acertou a flecha, você virou de costas pois não queria ver aquele homem morrendo na sua frente, era horrível a ideia de ter que sacrificar alguém para salvar outras vidas, mas infelizmente, era a decisão certa para o momento. Você conseguiu ouvir o grito de desespero do homem que depois foi substituído por um estrondo enorme de algo que caiu, você nem precisava olhar para saber o que tinha acontecido.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 20

Seus olhos começam a encher de lágrimas e seu coração a acelerar, você não conseguia acreditar que teria que tomar aquela decisão, isso era muita maldade, uma vida não merece pagar pela outra, mas infelizmente não havia o que fazer e o pior é que se você não tomasse sua decisão rápido, a ave iria continuar destruindo a cidade.

Ao olhar para aquela pessoa presa nas garras da ave lhe fazia mal pois nem conseguia imaginar o que era ter sua vida decidida por outra pessoa, mas ao mesmo tempo pensava que em uma das casas ao redor poderia estar uma família que só estava tentando se proteger e vai ter um trágico fim.

A ideia de perder alguém era algo que tocava em uma parte bem sensível em você e ter que lidar com isso era sempre um grande problema, para seu azar, conseguia se identificar muito bem com ambas as situações, o que tornava sua decisão ainda mais difícil.

Depois de passar um tempo pensando, você tomou a sua decisão, por mais difícil que fosse, o mais racional era derrubar a ave, você não poderia deixar aquela pobre pessoa morrer de forma tão trágica e talvez, com muita sorte e otimismo, não tenha ninguém nas casas próximas.

- Eu tomei minha decisão - Você fala.

- E qual foi? - Hélio pergunta.

- Vamos derrubar a ave - Você responde.

- Tem certeza? - Ele pergunta.

- Sim - Você responde.

- Certo, mas saiba que mais vidas estão em risco - Ele diz.

- Eu sei - Você fala.

- Tudo bem, se é a sua decisão, vou aceitar - Ele diz.

Vocês começam a pegar as flechas, passam veneno com muito cuidado nas pontas e começam a lançar na ave que se esquivava, ela era realmente muito rápido, o que fazia com que muitas flechas fossem desperdiçadas.

Você e Hélio faziam de tudo para atrair a ave para mais perto e acertá-la, mas era difícil, você nunca tinha visto um animal tão esperto em toda a sua vida. Felizmente, em um momento de descuido da ave quando ela arrumava as garras para segurar o homem, você consegue acertar uma flecha próximo a uma das asas dela.

No mesmo instante, a ave solta o homem, você e Hélio correm para conseguir pegá-lo e ele cai nos braços de vocês, felizmente apenas com alguns arranhões, você ainda estava conferindo se o homem estava bem quando escuta o estrondo do som do corpo da ave caindo no chão e depois o som de vários gritos, infelizmente, haviam pessoas nas casas.

- Muito obrigado - O homem diz com dificuldade.

- Não foi nada, esse é o nosso trabalho - Hélio fala.

- Eu irei contar a todos como os guerreiros são incríveis e salvaram a minha vida - Ele diz sorridente.

- Não precisa, apenas fizemos o nosso trabalho, foque apenas em se recuperar - Hélio fala.

- Eu prometo que vou me recuperar - Ele diz sorridente.

- Agora vá para o abrigo para se proteger - Hélio fala.

- Certo, até algum dia - O homem fala.

- Até - Você diz.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 21

Após terminarem a missão, você e Hélio vão para o centro da cidade para esperar por Eva e Julia.

- Como foi viver a experiência de ser um guerreiro? - Hélio pergunta.

- Foi assustadora, não esperava por isso - Você responde.

- É, ás vezes lidamos com situações bem complicadas - Ele diz.

- Vai ser difícil para absorver tudo o que aconteceu hoje - Você fala.

- É, mesmo com o trauma, espero que tenha tirado alguns ensinamentos - Ele diz.

- Claro que sim - Você fala.

- Ser um guerreiro é complicado S/N, você lida com situações bem complicadas. Um dia você está salvando vidas e no outro você está acabando com vidas - Ele diz.

- Eu entendo - Você fala.

- Ás vezes eu penso em desistir, mas ao ver uma pessoa chorando e me agradecendo me faz querer continuar e ainda me faz relembrar o motivo de tanto querer ser um guerreiro, eu não queria ser guerreiro pelos poderes, mas sim para ajudar pessoas - Ele diz.

- Isso é algo bem bonito da sua parte - Você fala.

- Mas ás vezes lidamos com situações que queremos desistir de tudo, então eu recomendo que você pense bem ao fazer sua escolha pois é algo muito sério - Ele diz.

- Eu sei, prometo que vou pensar bem - Você fala.

- Sim, espero que possamos trabalhar juntos, mas vou entender se você não quiser isso - Ele diz.

- Eu preciso pensar mais um pouco - Você fala.

- Tome o tempo que for preciso, não apresse pois é a decisão da sua vida - Ele diz.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 22

Enfim vocês quatro se encontram no centro da cidade e logo começam a caminhar em direção a saída para encontrar os representantes.

- Então está tudo bem agora? - Eva pergunta.

- Está sim, tudo foi resolvido - Hélio responde.

- Que bom que deu tudo certo - Você fala.

- Sim, vocês foram muito bem - Hélio diz.

- E o que acontece agora? - Você pergunta.

- Vocês vão voltar para Eólia e eu e Hélio cuidaremos de mais algumas coisas daqui - Julia responde.

- Nós fomos bem? - Eva pergunta.

- Não podemos falar isso - Hélio responde.

- Que chato, estou ansiosa para saber - Eva fala.

- Não se preocupe, logo saberão o resultado, primeiro precisamos conversar para dar nossa opinião - Hélio diz.

- Mas foi um prazer conhecer vocês e espero que essa prova tenha deixado vocês com ainda mais vontade de ser um guerreiro - Julia fala.

- Verdade, espero que em breve possamos ser companheiros - Hélio diz.

- Foi um prazer conhecer vocês e até outro dia - Você fala.

- Tchau - Eva diz acenando para eles.

Você e Eva se despedem dos guerreiros e começam a caminhar em direção aos representantes, finalmente a prova tinha acabado e agora sua única preocupação era como seus amigos teriam se saído.

Continua depois da publicidade
Gostou do capítulo?

Continua no próximo capítulo

Próximo Capítulo / Continue jogando

Adicione à sua biblioteca para ser notificado(a) de novas publicações!

O que você achou deste capítulo?
Helo_Isa

Helo_Isa Gostei dessa prova, foi legal ser um guerreiro e trabalhar em uma missão de verdade, salvando vidas. Foi muito triste ter que escolher quem salvar, escolhi salvar o mais jovem, mas foi uma decisão complicada. Foi bem de boa ter pego a Eva, achei que daria briga, mas ainda bem que não deu kkkkk Agora quero saber como os outros foram, mas acredito que não houve risco de vida nessa prova.

28/01/21 14 ResponderMais
Min Hyeon-Jin

Min Hyeon-Jin Ahhhhhh maravilhoso novamente !!!!! cada vez que eu leio eu fico mais e mais envolvida gente não tem como.

Eva esta uma vaca como sempre né não tem como mudar, eu estou curiosa pra saber se Sam,Laura,Taylor e Eric estão bem , admito que curiosa para saber quem foi a dupla de cada um.

Esse guerreiro disse coisas bem realistas sobre querer desistir em alguns momentos o que prova que quando você se torna um guerreiro lida com situações que podem de alguma forma mudar a sua visão em relação aos Deuses e outras coisas, o que me fez refletir bastante.
Resumindo não vejo a hora do próximo!!!

28/01/21 10 ResponderMais
Isah Taconiツ

Isah Taconiツ Eva saindo do carro

Minha cabeça: EU VOU MATAR ELA! EU VOU MATAR ELA! TIRA ELA DAQUI SE NÃO EU VOU MATAR ELA!!

29/01/21 7 ResponderMais
NicF

NicF Miss nossaaa foi muito om, que louco seria se S/n fosse em uma prova e nessa prova ele ter que usar os poderes, e de repente nesse ele dominar mais do poder dele ? e herdar algo do pai dele sla, só sei que seria muito legal um capitulo assim e ele chamar a atenção e ser o mais comentado

28/01/21 4 ResponderMais
Juliaッ

Juliaッ Obviamente eu quis ficar com a Julia que tem o msm nome que eu ksksksk pelo menos pra confundir do um nome diferente pra s/n a cada fic e nessa eu escolhi a casa de Artemis pq Artemis e Atena são as q mais combinam cmg e Laura já tá em Atena queria algo diferente ent me ajudou na decisão na vdd se desse pra escolher de Hades tbm eu ficaria mais em dúvida cara deveria ser mto legal Hades decide o rumo de uma alma e Artemis sendo Diana na mitologia romana eu dei o nome dessa s/n tbm pq deusa da lua eu posso apelidar Diana pra Di'lua assim tbm lembro a Luna de HP e faz sentido com a casta de Ártemis

3/02/21 3 ResponderMais
Isah Taconiツ

Isah Taconiツ De qualquer forma eu acertei era uma prova de dupla.

Bom +ou-

29/01/21 3 ResponderMais
LeBlanc_Fox

LeBlanc_Fox UAU! Que prova foi essa?
Isso só mim deu mais vontade de ser um(a) guerreiro (a)

Arrassou como sempre Miss

28/01/21 3 ResponderMais
Yas✨

Yas✨ fiquei com mais vontade de ser guerreiro, de ajudar vidas... mas a parte que eu nao gosto é de matar pelos Deuses, sabe?!

sera que a prova dos outro é no mesmo lugar?? com os mesmos guerreiros??

ameiii o ep!! Tá perfeito Miss

9/08/21 2 ResponderMais
Victor Daniel De Souza Pereira

Victor Daniel De Souza Pereira Foi triste ter que escolher qual das vidas eu teria que salvar, mas acabei salvando o menino

28/01/21 2 ResponderMais
Koku the Beginning

Koku the Beginning Perfeito

28/01/21 1 ResponderMais
Cancelar