ØLYMPIA
12

ØLYMPIA Capítulo 122

Sentimentos Contraditórios

Publicado em 09/02/2021

Após tudo o que aconteceu na prova, tudo o que S/N mais quer é descobrir o que está acontecendo.

Continua depois da publicidade

Cena 1

Você dormia tranquilamente quando acorda em uma sala branca com uma luz muito forte que fazia seus olhos arderem, além de suas vistas que estavam bem embaraçadas, ao olhar ao seu redor, percebeu que estava em uma sala totalmente branca e acolchoada sem nenhuma janela, muito parecida como a de um manicômio.

Ao tentar se mexer, você percebeu que estava usando algo como uma camisa de força que impedia que seu braços se movimentassem, também sentia uma dor muito forte em seu corpo e até mesmo uma fraqueza.

Ver toda aquela situação lhe fez pensar que pelo jeito toda aquela história horrível tinha realmente acontecido e não foi mais um de seus pesadelos, talvez não tenha acontecido exatamente como o seu primeiro pesadelo, mas infelizmente você tinha se perdido naquela prova, e não apenas quase matou Heitor como acabou machucando Ítalo.

Você tinha se tornado um monstro que perdeu o controle e machucou pessoas inocentes, isso fazia seu coração apertar e sua boca amargar, além de seus olhos que ficavam cheios de lágrimas, isso fazia sua cabeça girar e seu estômago embrulhar, seria difícil de se perdoar caso Heitor morresse por sua causa ou se algo sério tivesse acontecido com Ítalo.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 2

Você ainda estava se martirizando com os pensamentos sobre tudo o que tinha acontecido quando seus pensamentos são interrompidos ao ouvir a porta se abrindo e logo uma mulher vestida de médica aparece e dá um leve sorriso ao te ver.

- Olá S/N - Diz a mulher ao fechar a porta.

- Oi - Você fala.

- Que bom te ver acordado(a) - Ela diz.

- Eu dormi por muito tempo? - Você pergunta.

- Não muito - Ela responde.

- Quem é você? - Você pergunta.

- Eu sou a doutora Carmem - Ela responde.

- Entendi - Você fala.

- É um prazer te conhecer - Ela diz estendendo a mão para você.

- Igualmente - Você responde.

- Eu sou a médica que está cuidando de você - Ela diz.

- Em relação ao que? - Você pergunta.

- A tudo - Ela responde.

- Entendi - Você fala.

- Vou te fazer algumas perguntas e peço para que você responda com sinceridade, ok? - Ela pergunta.

- Sim senhora - Você responde.

- Ótimo, vou confiar em você. Primeiro, como está se sentindo? - Ela pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Bem
  • Com medo
  • Confuso(a)
  • Triste

Cena 3

- Certo - Diz a doutora enquanto escreve em uma prancheta.

- Você está me analisando? - Você pergunta.

- De um certo modo sim, sou sua médica, te analisar faz parte do meu trabalho - Ela diz.

- É um teste para saber se eu sou uma bomba relógio? - Você pergunta.

- Bomba relógio? - Ela pergunta com uma expressão confusa.

- Se eu me estresso com facilidade - Você responde.

- Você se estressa com facilidade? - Ela pergunta.

- Não, apenas como uma pessoa normal - Você responde.

- O que seria como uma pessoa normal? - Ela pergunta.

- Nossa, você é médica ou detetive? - Você pergunta.

- Você se estressou? - Ela pergunta.

- Não, só fiz um questionamento, normalmente sou uma pessoa tranquila, apenas me estresso quando vejo injustiças ou quando alguém que eu goste está passando por algo difícil - Você responde.

- E quando as situações não acontecem no momento que você quiser - Ela diz.

- Talvez - Você fala.

- Tudo bem, isso é normal - Ela diz.

- Certo, qual é a próxima pergunta? - Você pergunta.

- Como você se sente em relação a finalizar outras pessoas? - Ela pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Odeio
  • Já me acostumei
  • Não sei o que pensar

Cena 4

- Finalizar alguém não é algo fácil não é? - A doutora pergunta.

- Nem um pouco - Você responde.

- Eu sempre odiei essa parte - Ela diz.

- Você já passou por isso? - Você pergunta.

- Sim, acho que não existe ninguém que não passou por Olympia - Ela responde rindo.

- Verdade - Você fala.

- Só que eu não quis ser uma guerreira, então nem consigo imaginar tudo o que você passou e está passando - Ela diz.

- É mais difícil e cansativo ainda - Você fala.

- Eu sei, muitos alunos passam por situações difíceis nessa competição - Ela diz.

- Você cuida de muitos assim? - Você pergunta.

- Sim, uma boa parte daqueles que atendo nesse lugar são guerreiros oficiais ou aqueles que estão tentando ser guerreiro - Ela responde.

- E o que vocês fazem com essas pessoas? - Você pergunta.

- Tudo que um hospital normal faz - Ela responde rindo.

- Entendi - Você fala.

- Não se preocupe, por mais que pareça uma prisão, você não está preso(a) - Ela diz.

- Por enquanto - Você fala.

- Disso eu já não sei, isso não faz parte das minhas decisões - Diz a doutora.

- Tudo bem, já estou acostumado(a) a não receber respostas - Você fala.

- Posso te perguntar algo? - Ela pergunta.

- Sim - Você responde.

- Seja sincero(a), você quer ser um(a) guerreiro(a)? - Ela pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Claro que sim
  • Não tenho certeza
  • Ainda estou pensando

Cena 5

- É uma decisão difícil que precisa ser bem pensada - Diz a doutora.

- Eu sei disso - Você fala.

- Por mais que eu tenha perguntado, não precisa tomar essa decisão agora - Ela diz.

- É, ainda tenho o que pensar - Você fala.

- Me conte sobre tudo o que você se lembra até o momento que acordou aqui - Ela diz.

- Certo, eu fui para a prova com o representante, então ele disse que eu teria que enfrentar o Heitor com meus poderes, então eu lembro que estávamos brigando quando o Ítalo apareceu e me prendeu - Você fala.

- Você sentiu raiva de Heitor? - Ela pergunta.

- Um pouco - Você responde.

- Por que? - Ela pergunta.

- Ele começou a falar coisas que me irritavam como se estivesse desdenhando de mim e dos meus poderes - Você responde.

- Entendo, ele ficou fazendo piadas - Ela diz.

- Sim, isso acabou me estressando mais do que eu imaginava - Você fala.

- O que você sentiu quando estava batendo em Heitor? - Ela pergunta.

- No início estava aliviado(a) pois sentia que estava ganhando, mas depois percebi que estava gostando mais do que eu deveria - Você responde.

- Você gostou? - Ela pergunta.

- Sim, mas eu nunca tinha sentido aquilo na minha vida - Você responde.

- Você se sentiu forte e poderoso(a) como um verdadeiro deus - Ela diz.

- Sim, foi algo parecido com isso - Você fala.

- Você se arrepende de algo em relação a Heitor? - Ela pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Não me arrependo
  • Sim, não queria ter batido tanto nele

Cena 6

- Como você se sentiria se eu dissesse que o Heitor morreu? - A doutora pergunta.

- O quê? Ele morreu? - Você pergunta.

- Sinto muito, mas sou eu que faz as perguntas - Ela responde.

- Desculpa - Você fala.

- Tudo bem, mas agora me responda, o que você faria? - Ela pergunta.

- Eu iria me sentir muito mal e iria me culpar pelo resto da vida - Você responde.

- Por que? - Ela pergunta.

- Porque eu matei ele, não era minha obrigação matar ele, foi uma decisão que eu tive, eu apenas tinha que ganhar, não precisava finalizar - Você responde.

- Entendi, mas tirando esse sentimento de culpa, você não teria nem que seja um pouco de sentimento de prazer? - Ela pergunta.

- Prazer em que sentido? - Você pergunta.

- Prazer em ter feito aquilo que queria fazer, de ter o calado - Ela responde.

- Não, ele não merecia isso, muitas pessoas gostam de ficar falando coisas para instigar briga, mas não merecem isso - Você fala.

- Você está tentando me convencer ou convencer a si? - Ela pergunta.

- Nenhum dos dois, estou justificando o motivo de não sentir o prazer em saber que o Heitor morreu - Você responde.

- Certo, entendi - Ela diz.

- Acabou? - Você pergunta.

- Ainda não. Você é capaz de qualquer coisa para conseguir algo? - Ela pergunta.

Continua depois da publicidade
  • Sim
  • Tudo do que está de acordo com o que acredito
  • Claro que não

Cena 7

- Eu entendi - Diz a doutora.

- Você vai me dizer para o que serve todas essas perguntas? - Você pergunta.

- Não, agora vamos para a última pergunta? - Ela pergunta.

- Vamos - Você responde e respira fundo.

- O que você sentiu quando tudo acabou? - Ela pergunta.

- Muito mal, eu já disse - Você responde.

- Não em relação a Heitor, mas em relação aos seus poderes, a você enlouquecer e a machucar um superior - Ela diz.

- Eu fiquei feliz por ter usado mais poderes do que imaginava sem que eles falhem, mas me senti mal por ter perdido o controle pois me senti fraco(a) - Você fala.

- Sentimentos bem contraditórios né? - Ela pergunta.

- Sim, fui do céu ao inferno em tão pouco tempo - Você responde.

- E o que você sentiu em relação ao resto? - Ela pergunta.

- Eu entrei em desespero quando me prenderam e quando machuquei Ítalo - Você responde.

- Eles disseram que isso mexeu ainda mais com seus sentimentos, o que fez com que seus poderes ficassem ainda mais descontrolados - Ela diz.

- Sim, tudo foi apenas potencializando os meus poderes em descontrole - Você fala.

- Certo, agora acabamos - Ela diz.

- E qual diagnóstico você chegou? - Você pergunta.

- Ainda há algumas coisas para serem feitas antes de fechar um diagnóstico - Ela responde.

- Então vou continuar sem respostas? - Você pergunta.

- Por enquanto sim, mas se você se comportar bem, vou pedir para tirarem essa coisa que te prende - Ela responde.

- Por favor, isso está me deixando muito agoniado(a) - Você fala.

- Até breve S/N - Ela diz.

- Até - Você fala.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 8

Você se despede da doutora e logo ela sai da sala te deixando sozinho(a), você ficou sentado(a) no chão daquele lugar e só conseguia pensar na conversa que havia tido com a doutora Carmen.

Qual seria o motivo de todas aquelas perguntas? O que elas iriam definir? Será que você tinha dado as respostas corretas ou deveria ter respondido diferente? Será que aquelas perguntas iriam te fazer ser preso(a)?

Antes da prova, o representante tinha falado de tantos casos onde os poderes dominaram as pessoas e elas tinha sido levadas para lugares diferentes, mas em nenhum momento ele tocou no assunto desse lugar branco, será que era um hospital psiquiátrico onde você iria ser internado(a) por ter matado alguém ou seria um lugar de teste antes de ser enviado(a) para o presídio?

Sua cabeça estava cheia de tantas suposições e teorias, sem contar, que além de tudo ainda estava se preocupando do que sua mãe e seu irmão iriam pensar sobre você e sua ação, também ainda pensava sobre seus amigos, como será que eles tinham saído na prova? Será que tinham conseguido usar os poderes com tranquilidade? Será que tinham se machucado ou o poder tinha os dominado assim como você? O que eles iriam pensar sobre você?

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 9

Você ainda estava pensando sobre diversas teorias quando a porta é aberta e dois homens altos usando roupas brancas entram.

- O que está acontecendo? - Você pergunta.

- S/N, venha com a gente - Diz um dos homens.

- Para onde? - Você pergunta.

- Vamos dar um passeio - Ele responde.

- O quê? Eu não quero ir - Você fala já em desespero.

- Sinto muito, mas você não tem escolha - O outro homem fala.

Os dois homens entram e te seguram, cada um deles fica em um dos seus lados e agarram seu braço com muita força, mesmo tentando lutar, era inútil pois eles eram bem mais altos e mais fortes, conseguiram te levantar com tanta facilidade que não importava o quanto você se movesse.

- Me digam onde vocês estão me levando - Você grita.

- Você irá descobrir, não precisa fazer escândalo - O homem diz.

- É, tenta fazer silêncio que será bom tanto para nós quanto para você - O outro homem fala.

- Se vocês me explicassem, não estaria gritando - Você fala.

- Nós não podemos falar - O homem diz.

- Ninguém nunca pode dizer nada - Você fala.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 10

Enquanto os homens te levavam pelo corredor, você observava o que estava acontecendo ao seu redor, era algo como um hospital normal com vários profissionais e também pacientes, mas não dava para conseguir distinguir se era um hospital normal ou outra coisa.

Alguns minutos depois, você entra em uma sala e os homens colocam você em cima de uma maca, tiram a blusa que prendiam seus braços, mas logo prendem seus braços em algumas correntes que tinham na maca.

- O que está acontecendo? - Você pergunta enquanto se debatia na maca.

- Eu disse, você vai descobrir daqui a pouco - O homem responde.

- Onde vocês vão? - Você grita.

Depois de te prender na maca, os homens caminham até a porta e saem da sala, te deixando sozinho(a), já que não valia a pena gritar ou se desesperar, você apenas começou a olhar ao seu redor e percebeu que tinha uma mesa com vários aparelhos cirúrgicos e também um enorme computador com uma tela enorme.

Será que eles iriam fazer algo com você naquela sala? A que ponto estava chegando tudo aquilo? Seria agora o seu fim?

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 11

- Olá S/N - Diz doutora Carmem ao abrir a porta.

- Oi - Você fala.

- Que bom lhe ver novamente - Ela diz.

- Não sei se fico feliz em te ver ou se fico com medo - Você fala.

- Medo do quê? - Ela pergunta.

- Medo do que você vai fazer - Você responde.

- Como assim? - Ela pergunta.

- Eu estou preso(a) em uma maca e você está com um monte de ferramentas cirúrgicas - Você responde.

- Não, não se preocupe com isso, não vou usar essas coisas com você - Ela diz.

- O que você vai fazer então? - Você pergunta.

- Eu vou colocar esse capacete em sua cabeça e alguns aparelhos em seu peito e barriga - Ela responde mostrando tudo o que falou.

- Para que serve isso? - Você pergunta.

- Vamos avaliar algumas coisas em você - Ela responde.

- Vai doer? - Você pergunta.

- Claro que não, não se preocupe, pode confiar em mim - Ela responde.

- É difícil confiar em você - Você diz.

- Eu sei - Ela diz rindo.

Continua depois da publicidade
  • Avançar

Cena 12

Após colocar todos os aparelhos em você, Carmem e outros dois médicos começam a avaliar o que aparecia no televisor, mas infelizmente, você não fazia a menor ideia do que deveria ser observado.

Carmem e o outro médico ficavam avaliando o televisor, já o outro homem anotava tudo em uma prancheta, o que lhe fazia sentir um enorme nervosismo e ansiedade, o que lhe fez entender pelo menos algo no televisor que eram seus batimentos cardíacos que não paravam de aumentar.

Você começou a sentir que seus poderes estavam se intensificando contra a sua vontade, mas dessa vez era contra a sua vontade, talvez seja o seu nervosismo que estava tendo influência naquilo, mas já sentia aquela corrente de energia percorrer todo o seu corpo, você tentava se controlar o máximo, pois se perdesse o controle novamente, poderia acabar cometendo algum erro que poderia ser fatal no seu diagnóstico.

- Acho que tem algo acontecendo - Diz um dos homens.

- Como assim? - Carmem pergunta.

- Os números estão ficando alterados - O outro homem fala.

- O que está acontecendo doutora? - Você pergunta.

- Não é nada querido(a), está tudo bem - Carmem responde fingindo um sorriso.

- Precisamos fazer algo - Um homem fala.

- Vamos ter que intervir - Carmem diz.

- Tem certeza? - O homem pergunta.

- Sim, é o jeito - Ela responde.

- O que vocês vão fazer? - Você pergunta.

- Não é nada querido(a), você vai sentir uma pequena dor, mas depois tudo irá parar - Ela responde fazendo carinho em sua testa.

- O quê? O que vocês estão fazendo? - Você pergunta.

Você começa a se debater naquela maca em desespero sentindo que seu poder ficava cada vez mais forte, até que vê um dos homens se aproximando e sente uma dor forte em seu pescoço como se fosse uma agulha, então tudo começa a ficar em câmera lenta, sua visão estava distorcida e seus olhos começam a pesar fechando mesmo sem querer, o que estava acontecendo agora?

Continua depois da publicidade
Gostou do capítulo?

Continua no próximo capítulo

Próximo Capítulo / Continue jogando

Adicione à sua biblioteca para ser notificado(a) de novas publicações!

O que você achou deste capítulo?
mah 🦋 | offzona

mah 🦋 | offzona Eu tô sem palavras, sem reação total, só consigo pensar no Eric, Laura, Sam, Taylor, Representante, Ítalo, e até a Suzana, quando souberem (se é que não já sabem) do que tá rolando.
Tô até sem teorias, oque houve comigo? Sempre que um capítulo acaba eu fico com mais de 3 teorias na mente, né possível que agora eu esteja sem nenhuma... Miss pegou de surpresa!

Adorei o capítulo, tô completamente ansiosa pro próximo, sério mesmo eu tô em surto.

9/02/21 22 ResponderMais
NicF

NicF Miss, faz o outro ep em como está o Eric, Laura,Sam e Taylor durante isso por favor

9/02/21 18 ResponderMais
Luck C 😜👽🖖

Luck C 😜👽🖖 Eu acho que ainda é uma prova, pra ver quem consegui usar o poder e a inteligência o suficiente para escapar do hospital e fazer ou enfrentar quem seja para sair de lá, acho que não estou fora do controle não.
E acho que Heitor e ítalo estavam fingindo, isso deve ser uma prova.
E toda devem estar passando por ela.
Ou eu só estava indo longe demais na minha teoria kkkkkk

9/02/21 12 ResponderMais
ManuellaPacca

ManuellaPacca Gente pelo amor de Deus eu não tenho estrutura para lidar com essas coisas! Eu sou louca, fivo falando sozinha e tudo mais e vcs me vem com essa? Miss pelo amor de Deus me salva eu vou infartar aqui desse jeito!

9/02/21 9 ResponderMais
Yasmin Almeida

Yasmin Almeida Ah eu espero que a s/n consiga controlar os poderes😧😢

9/02/21 6 ResponderMais
Juliaッ

Juliaッ Tô sem palavras kkkkk como assim a/o s/n tá num manicômio😮

9/02/21 4 ResponderMais
LeBlanc_Fox

LeBlanc_Fox Eu tô morrendo! Gente, eu acho que minha ansiedade piorou

9/02/21 3 ResponderMais
gregorio_breno

gregorio_breno kkk continuo rindo de nervoso. Daqui a pouco eu que preciso ir pra maca haha

9/02/21 3 ResponderMais
NicF

NicF primeiroooo

AMEIIIIIIIIIIIIIII

9/02/21 2 ResponderMais
𝙴𝚞𝚣𝚒𝚗𝚑𝚊_𝙱𝚛

𝙴𝚞𝚣𝚒𝚗𝚑𝚊_𝙱𝚛 Perfeito! Ainda acho que è tudo um sonho, ou pesadelo, ou alguma coisa assim, tipo, uma prova pra vê como a pessoa reagiria e tals, eu tô toda confusa aqui kkk

9/02/21 2 ResponderMais
Cancelar